Google+ Followers

sábado, 2 de março de 2013

EX-CATADORA DE LIXO PASSA EM CONCURSO DO JUDICIÁRIO

De catadora de lixo a funcionária da Justiça
 
Por Taísa Azevedo
Lívia Marinho, 39 anos, já foi catadora de lixo e hoje é servidora do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro
Sonho, dedicação e garra marcaram a história de Lívia Marinho Lessa Barboza, 39 anos, técnica judiciária do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro. Com uma infância difícil e cheia de medos, ela é a prova de que o esforço e a vontade de crescer levam além. Conhecer a trajetória de pessoas que começaram do nada e construíram uma história marcada pela determinação é sempre empolgante, e com ela não foi diferente.

"Fui criada em um bairro pobre, em Duque de Caxias. Era a mais velha dos quatro filhos. Sou ex-catadora de lixo de Caxias. Havia entre mim e meus irmãos um acordo que dividia a atividade de catar lixo por categorias, de acordo com a possibilidade de cada um: cobre para o mais novo, alumínio para o seguinte, vidro para minha irmã e ferro para mim. Éramos quatro irmãos inseparáveis, dividíamos tudo: as alegrias, as tristezas, os sofrimentos..." Assista à entrevista completa AQUI.
Dificuldade é a palavra que define essa etapa na vida de Lívia. A necessidade de sair do aperto, das lágrimas e da vida sofrida fez a sonhadora correr atrás do tempo perdido. "Cresci e fui trabalhar fora. De 1994 até o fim de 2002, trabalhava no comércio, com muitas dificuldades para conciliar o trabalho e a família, já que o horário de trabalho, em diversas áreas comerciais, é extremamente cruel, agregando sábados, domingos e feriados como dias de expediente normal. Ainda inconformada com a minha vida, passei por uma banca de jornais no shopping em que trabalhava e li a notícia na FOLHA DIRIGIDA: 'Concurso para TJ-RJ: só 2º grau'. Naquela época eu não tinha o ensino médio. Saí do meu emprego e peguei o dinheiro de seis anos de trabalho e investi em um curso preparatório, tive de investir de corpo e alma no meu objetivo."
A tão sonhada estabilidade financeira foi uma das motivações para terminar o ensino médio e iniciar o curso preparatório. A vontade de ter uma vida mais confortável e mais segura levou Lívia a prestar concurso. Segundo ela, estudar era uma necessidade, uma forma de sustento. "Cada vez menos eu tinha oportunidade de ver as minhas filhas, e a vontade de ter um horário flexível e poder planejar um futuro mais próspero foi o que me impulsionou."
"Você tem de ir até o fim"
Naquele momento, Lívia se aventurou no desconhecido e se deparou com muitos obstáculos. "Conciliar as aulas do supletivo com o preparatório não era fácil. São milhões de informações que precisam ser apreendidas. São objetivos diários. Por exemplo, ‘minha meta hoje é superar 12 horas de estudo’, e concretizava. Quando você determina algo para sua vida, você tem que ir até o fim."
Mesmo com todo o esforço, o início foi bem complicado. E em 2004, o sucesso, enfim, foi alcançado. No ano em que completou o ensino médio, Lívia foi convocada. "A prova foi realizada no início de 2004, no mesmo período em que estava concluindo o ensino médio. Fui aprovada para o Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJ-RJ) e para o Tribunal Regional Federal (TRF). Concluí o ensino médio em junho de 2004 e fui convocada em julho do mesmo ano. Depois disso, entrei para a faculdade e cursei Letras."
A ex-catadora é exemplo de que uma realidade complicada não é necessariamente sinônimo de fracasso. Mesmo com um cenário que parecia ser o pior possível, ela venceu. Havia uma necessidade de sobrevivência, uma veia de esperança. "O estudo era uma maneira de sobreviver", diz ela.
"Só a educação leva a algum lugar"
Para a servidora, todas as pessoas têm condições de ingressar em uma carreira pública. Mas o desejo tem de vir carregado de muito esforço e boa vontade, planejamento e uma boa rotina de estudos. Esse é o caminho mais seguro para a aprovação. Além disso, ter o apoio das pessoas em volta também é uma segurança imensa na caminhada.
"Só através da educação chegaremos a algum lugar. Ter a oportunidade para se preparar é um diferencial. Minhas filhas e meu marido me apoiaram intensamente para que eu concretizasse o meu sonho. A partir dali, montei uma rotina de estudos e segui em frente. Eu deixei o lazer e horas de descanso de lado, priorizei os meus estudos e coloquei aquilo como minha maior meta", lembra.
Se o desejo é profundo, pode se tornar acessível. Qualquer pessoa que se determine a um objetivo, seja ele qual for, tem oportunidade de alcançá-lo. "A sensação de sonhar o meu sonho e concretizá-lo é saber que tudo que eu passei foi pelo meu esforço, é particular, ninguém me permitiu, eu me presenteei. Eu estou no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro por mérito e aprovação. Sou vencedora!", comemora Lívia Marinho.

Nenhum comentário:

Postar um comentário